sábado, 30 de agosto de 2008

Mais duas comunidades quilombolas poderão ser regularizadas no Guaporé

As comunidades remanescentes de quilombos Laranjeiras e Santa Fé solicitaram regularização do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e foram vistoriadas, este mês, para embasar seus estudos antropológicos. Outras três também já passaram pelo processo, todas localizadas no Vale do rio Guaporé. Juntas, representam mais de 300 pessoas.
A comunidade de Jesus, que ocupa 5.920 hectares em São Miguel do Guaporé, é a que tem o processo mais avançado. Sua existência já foi reconhecida pela Fundação Cultural Palmares, o relatório técnico antropológico elaborado, e órgãos como Sedam, Iphan, Ibama e SPU notificados do processo de regularização. Por isso, o território deve estar demarcado e titulado até o final deste ano. "São pessoas deserdadas pelo Estado que terão agora chance de ter seu território regularizado", explica Samuel Cruz, antropólogo do Incra.
Já outras comunidades encontram dificuldade na demarcação devido à sobreposição com unidades de conservação. É o caso de Santo Antônio e Pedras Negras, as mais populosas.
Tradições centenárias
A herança dos quilombolas não está somente na cor negra da pele, mas também nos costumes, que vão desde as casas de palha e taipa ao conhecimento das plantas, até a religiosidade da Festa do Divino. "São populações tradicionais, que mantêm uma simbiose muito bacana com a natureza", revela Cruz. A roça de macaxeira e a pesca são a base econômica dessas famílias que, com a titulação, poderão aprender a explorar a beleza da região com turismo ecológico ou diversificar a produção.
Vanessa Ibrahim / Incra
Fonte: F.Palmares

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | JCpenney Printable Coupons