domingo, 18 de outubro de 2009

CEN/MG: Aprovado o Pacto de Convivência do Fórum‎‏‎‎‏‎


A segunda reunião do Fórum Mineiro de Religiões de Matriz Africana, realizada na sala de Conselhos do 3º andar da Avenida Afonso Pena, 372, no centro de Belo Horizonte, cedida pelo Conselho Nacional de Entidades - CONNACEN, concluiu mais uma importante etapa no processo de construção e estruturação desse espaço de interesse das comunidades tradicionais de religiosidade afro brasileira. Sob a coordenação da Mam'etu Monasinanguê, foi aprovada a minuta do Pacto de Convivência, elaborada pelo Jurídico do Coletivo de Entidades Negras do Estado de Minas Gerais.

A Associação Espírita de Culto Afro Brasileiro Ya ABoring - Jeje Mahim, presidida pela Sacerdotiza Doné Ruth de Aziri, com 43 anos de iniciação, foi representada por sua vice-presidente, Sra. Veranice Conceição da Costa Leite, filha da Doné Ruth;

A Doné Sandra de Vodun Jó (Sandra Maria Rodrigues Teixeira), da Nação Jeje Mahim, integrante da Comissão Organizadora do Fórum, falou em nome da(o):

- Sociedade da Guarda de São Sebastião do Reino de Nossa Senhora do Rosário, cuja Rainha Conga Perpétua é a Senhora Efigênia Ward, fundada em 1952 e presidida por Antonio Cesar Ward;

- Ylê Alaketu Ya Oxum - Ketu, presidida pelo Babarorixá Hélio Pereira Lacerda, sacerdote há 39 anos;

- Kue de Oya - Mãe Lia de Oia - Jeje Mahim, fundada em 1964, que tem como responsável o Huntó Nein de Otolu;

- Aje Axé ABé Huntó, fundada em 1981, presidida pelo Sacerdote Hugan Jorge de Agué (Jorge Luiz da Silva);

- Humkpame Ayono Huntologi, que tem como responsável o Hugan Doca de Odé (Aristoteles Nery Soares);

- Doné Ogunssi (Deusdedit Lourdes da Conceição Domingues) e Huntó Aldair de Otolé.

Durante a apresentação da minuta do Pacto de Convivência, a Ekeji Juliana Pereira, do Ilê Axé Pilão Odara, da cidade de Santa Luzia/MG, demonstrou bastante preocupação com a criação do Conselho Sacerdotal, principalmente se ele teria a função punitiva de religiosas(os) de matriz africana, e quanto a sua composição, uma vez que o mais velho de uma nação pode não ser assim considerado pelas outras.

O Ogan Paulo Afonso Moreira, do Ilê Oju Onirê, contribuiu com a discussão, sugerindo que o Fórum não deveria excluir a política partidária de sua formatação, e informou sobre a composição de um Conselho formado por representantes de três nações de candomblé, eleitos entre seus pares.

O Jurídico do CEN-MG esclareceu que o Conselho Sacerdotal, cujo nome foi aprovado na reunião que criou o Fórum Mineiro de Religiões de Matriz Africana, não tem a função punitiva, mas sim representativa do espaço e das pessoas e entidades que dele farão parte, e em sua composição haverá assento para o mais velho de cada uma das diferentes nações, vertentes e ternos, ou para a(o) religiosa(o) por ele indicada(o), sempre e em tudo respeitada a hierarquia.

A Doné Sandra de Vodun Jó, sobre a composição do Conselho Sacerdotal, informou que, em relação à Nação Jeje Mahim, não haverá qualquer dificuldade em se respeitar a hierarquia e colocar na cadeira a religiosa com mais tempo de iniciada.

Mauricio Moreira dos Santos, do Quilombo de Mangueiras e Willer Alves Ferreira, presidente da Frema de Santa Luzia/MG, estiveram entre aqueles que prestigiaram a reunião.

Fonte: http://matrizafricana.mecamob.com/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | JCpenney Printable Coupons