quinta-feira, 3 de junho de 2010

Colegiado de Igualdade debate com Ministério da Saúde e órgãos de combate políticas para a prevenção do HIV/AIDS

As questões em torno dos aspectos de prevenção, atendimento, medicamentos e passes livres para os portadores do HIV/AIDS, foram pauta de discussões em audiência pública presidida pela Comissão Especial de Promoção da Igualdade da Assembléia Legislativa da Bahia (CEPI/ALBA). O debate ocorrido nesta terça-feira (01), proposto pelo GAPA, pontuou questões direcionadas à necessidade de melhor aplicabilidade dos recursos e da qualificação profissional para o atendimento aos soropositivos.

Regina Lasmar, membro da rede nacional de pessoas vivendo com HIV/AIDS e do grupo de apoio à mulher soropositiva de Salvador, informou que a lipodistrofia interfere na funcionalidade dos órgãos com conseqüências orgânicas e não só na aparência física. Segundo Regina, outro agravante que interfere no atendimento aos portadores de HIV, diz respeito à falta de medicamento e o descaso de alguns médicos com os pacientes de forma geral.


O deputado Estadual Bira Corôa que presidiu o debate, caracterizou os fatos como pouco explorados em nossa sociedade. Afirmou ainda que a discussão sobre a prevenção e cuidados com a AIDS deve ser responsabilidade de todos e não apenas dos portadores e de entidades relacionadas ao Vírus.


Maria Socorro Farias, Coordenadora do Programa Municipal DST/AIDS de Salvador pautou sua fala no momento da audiência, como sendo fundamental para relação do estreitamento do diálogo com os poderes do Estado. A deputada estadual Fátima Nunes, também presente na mesa, reiterou a necessidade destes debates serem estendidos para as universidades de medicina, com o interesse de melhor informar os futuros atendentes baianos. “Se tivéssemos mais profissionais sensíveis e com boa vontade, teríamos um bom serviço para o povo”, disse a deputada.


A coordenadora do programa estadual de DST/AIDS da Bahia, Dra Maricélia Macedo questionou os atendimentos e as distribuições de medicamento retro virais, além da dificuldade de se trabalhar com recursos humanos. O representante do Ministério da Saúde, o dermatologista Dr. Gerson Pereira apontou a necessidade do passe livre aos portadores da doença e os encaminhamentos que deverão ser feitos, após termino da sessão. “Precisamos resolver as questões de recursos humanos o quanto antes, seja por contratação ou por concurso”, concluiu o Dr. Gerson Pereira.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | JCpenney Printable Coupons