sábado, 21 de maio de 2011

Governo federal também age contra ato de racismo

A Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), do governo federal, vai acionar o Ministério Público do Trabalho paulista para que a empresa de recursos humanos Resilar seja investigada por discriminação racial. Conforme O DIA denunciou na quarta-feira, a agência — especializada em empregados domésticos — dava aos clientes a opção de escolher um candidato pela cor da pele: a empresa tinha em seu site um cadastro com o campo “cútis”, removido depois que a reportagem foi publicada.

A Coordenação de Políticas para a População Negra e Indígena da Secretaria de Justiça de São Paulo também agiu ontem: foi aberto processo administrativo para investigar a agência, que poderá ser obrigada a pagar multa a ser definida. Pela manhã, dois assessores da deputada estadual Leci Brandão (PC do B-SP) estiveram no prédio da Vila Mariana, onde fica a sede da Resilar, mas não conseguiram falar com nenhum responsável pela empresa. Manuel Júlio Vieira e Eliane Aparecida Dias chegaram por volta das 11h30 e foram recebidos pela secretária, que informou que a dona da agência, identificada apenas como Íris, estaria a caminho.

Após cerca de 20 minutos, a funcionária avisou que Íris não apareceria, seguindo orientação de seus advogados. O DIA tentou contato com os defensores, mas ninguém retornou as ligações.

No plenário da Assembleia Legislativa de São Paulo, Leci fez pronunciamento sobre o episódio: “Quero destacar episódio em que uma empresa usou o critério da cor da pele para apresentar candidatos a empregadores. Nosso mandato repudia veementemente qualquer ato de discriminação”, discursou a parlamentar.

E-ministro da Igualdade Racial, o deputado federal Edson Santos (PT-RJ) enviou ao Ministério da Justiça, à Procuradoria Geral da República, à Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial e à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República denúncia contra a Resilar.

Informação sobre cor só para estatísticas

Para a ministra da Seppir, Luiza Bairros, o episódio prejudica os esforços da secretaria pela diversidade racial. Segundo ela, a prática de indagar a cor do candidato a emprego é antiga, mas antes vinha disfarçada sob a expressão “boa aparência” dos anúncios. A secretaria reivindica que a informação sobre a cor da pele conste nos registros de órgãos públicos e empresas privadas, como política de ação afirmativa. “Com esse dado, podemos mensurar o acesso das minorias aos serviços públicos e às oportunidades de emprego, por exemplo. Mesmo essa empresa poderia usar esses dados para avaliar quantos negros conseguiram empregos”, explicou a ministra.

Fonte: O Dia

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | JCpenney Printable Coupons