segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

“Negras e Negros Inventores, Cientistas e Pioneiros: Contribuições para o desenvolvimento da Humanidade”, de Carlos Machado, será lançado em março




Quando se pensa em inventores e cientistas, imaginamos automaticamente a figura de um homem branco e idoso, ou às vezes de uma mulher branca, ou raramente de um descendente de asiático vestidos com um avental branco. Esta imagem é amplamente divulgada nos meios de comunicação diuturnamente por décadas e mais décadas. Mas nem passa pelo imaginário da maioria das pessoas, que mulheres e homens negros fazem e fizeram inovações nos mais diversos campos do conhecimento humano. É como se negros não fossem dotados de inteligência e capacidade de criar, a não ser nas áreas muito divulgadas como nos esportes (futebol e basquete) e nas artes (artes cênicas, ritmos musicais e moda).


A imagem [acima] é do McDonalds dos Estados Unidos. Tive contato com esta publicidade na revista Ebony de fevereiro de 1996. Qual não foi o meu espanto em saber destas informações aos 25 anos de idade? Por que eu não soube destas invenções na escola? Por que me negaram estas informações? Por que no Brasil não havia um só livro escrito sobre este tema: negros e ciência? Foram estas inquietações que me fizeram pesquisar e publicar este livro: Negras e Negros Inventores, Cientistas e Pioneiros – Contribuições para o Desenvolvimento da Humanidade, publicado pela EDUEL (Editora da Universidade de Londrina, em parceria com a Uniafro do Ministério da Educação).
 
Escrevi este livro em 2005 e depois de sete anos ele é lançado. Apresentei o tema para diversas editoras importantes que me negaram publicação e que disseram que não haveria interesse pelo tema fora do movimento negro…
 
Este livro vem apresentar inventores, inventoras, cientistas africanos e de toda a diáspora, para demonstrar que negros e negras de diversos países do presente e do passado contribuíram e têm contribuído com seus intelectos para as mais importantes criações e aperfeiçoamentos da nossa época e têm realizado feitos significativos para a humanidade na área de ciência e tecnologia.

São inventores e cientistas presentes nos mais prestigiados laboratórios do mundo, compondo o quadro de universidades, institutos, companhias de alta tecnologia e agências governamentais, ainda anônimos para a maioria da população brasileira, que foram e são pessoas desbravadoras, ousadas e pioneiras.

Minha intenção é de apresentar esta parcela de inventores e cientistas que pensaram e criaram de um simples esfregão até uma sonda ultravioleta para a indústria aeroespacial. Na esperança de promover uma memória positiva e destacando as conquistas dos povos negros no mundo científico para todos, desfazendo preconceitos e discriminações seculares, estimular e aumentar o número de jovens pesquisadores qualificados, mulheres e homens negros fazendo carreira nas ciências no Brasil. Não há crescimento econômico sustentável sem saber mais, saber fazer melhor, criar e inovar mais, sem mais cultura científica e sem democracia e diversidade racial nas instituições.

A diversidade é um dos fatores responsáveis pelo extraordinário progresso material e cultural da humanidade e não deve ser desperdiçada como têm ocorrido com a prática institucional das desigualdades. Temos mentes curiosas, com vontade de inovar e criar o novo. Temos muito que contribuir para o progresso da humanidade na busca de maior desenvolvimento científico que gere maior bem-estar para todos e todas.

Meu propósito é que com estes exemplos sejamos desafiados a sonhar, e que este desejo nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos. Que nós os cidadãos nos organizemos e pressionemos o Estado para que ofereça programas necessários para produzir uma força de trabalho tecnologicamente avançada, etnicamente tolerante e diversa.

O progresso científico nos garante uma cultura de pensamento crítico e livre, de inovação, de avaliação e de qualidade. Deverá crescer a produtividade científica internacionalmente reconhecida, como é imperativo que se multipliquem as patentes registradas, a capacidade de transferência de saber para o tecido econômico e a relevância das contribuições para o sucesso das outras políticas públicas. Incluir, permanecer, estudar mais, saber mais, saber fazer melhor.

Como diz o neurocirurgião afroestadunidense Benjamim Carson “Pense grande”.

-

* Carlos Eduardo Dias Machado é Mestre em História pela USP, com a dissertação População negra e escolarização na cidade de São Paulo nas décadas de 1920 e 1930 (http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-03022010-174218/pt-br.php) e autor do livro: Negras e negros inventores, cientistas e pioneiros (EDUEL).

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | JCpenney Printable Coupons